December 19, 2009

The 2009 BCG Multilatinas

A fresh look at Latin America and how a new breed of competitors are reshaping the business landscape.
The Boston Consulting Group | 2009

December 13, 2009

A Globalização, algumas de suas consequências, alternativas e caminhos para o Brasil


Published by CEBRI (Centro Brasileiro de Relações Internacionais, or Brazilian Center of International Relations). Link for file at CEBRI website.

ABSTRACT

The term globalization comes forth in the 1970s and 1980s to designate a complex of processes and changing forces, that act on a global scale and transpose national borders, moved by the evolution of international trade and the development of new technologies along de twentieth century.  In this process, companies transpose national borders to produce and commercialize their products, and turn into multinational companies, on a first stage, and transnational companies, on a second stage.  They become so huge and powerful that one comes to discuss the implications of these processes to the different national States.  Before this scenery, the role of the State as government is challenged.  The State-government looses its centralizing [instead of keeping its absolute power], and comes to be one more player in the market.  This does not imply, however, a decreasing of its importance as a manager of politics and of strategic decisions, fundamental roles of the State governments.  On this international arena, in which globalization is an irreversible reality, and from which States may benefit depending on the way they manage their insertion into the process, we suggest some alternative politics [economic and / or social] that could be adopted by the Brazilian government, from examples of countries that have been adopting differentiated strategies of insertion in the process over the last decades, such as China, Chile and Russia.  However, no matter how positive (China and Chile) or negative (Russia) examples may be presented, it is important to notice that there is no closed model to follow (or to avoid) in the case of Brazil.  There are rather paths and alternatives to be studied that could be eventually adapted to the Brazilian reality in the country’s search for its effective insertion in the process of globalization.


RESUMO

O termo globalização surge nas décadas de 1970 e 1980 para designar um complexo de processos e forças de mudança atuantes em escala global que atravessam fronteiras nacionais impulsionados pela evolução do comércio internacional e pelo desenvolvimento de novas tecnologias ao longo do século XX.  Ao longo do processo, as empresas começam a transpassar as fronteiras nacionais de produção e comercialização de bens e produtos transformando-se em multinacionais, em um primeiro momento, e transnacionais, em um segundo momento, e se tornando tão grandes e influentes que se começa a discutir as suas conseqüências para os diferentes Estados nacionais.  Diante deste cenário, questiona-se o papel do Estado, que perde seu caráter centralizador, passando do sentido absoluto de Estado-Nação, que até então tinha, para se tornar mais um player no mercado.  Contudo, não diminui sua importância como gerenciador de políticas e de definições estratégicas, papéis fundamentais que continuam a lhe caber.  No contexto atual de globalização, que é irreversível, e do qual é possível auferir benefícios, dependendo da forma como o país se insere no processo, sugerimos, neste trabalho, algumas alternativas de políticas econômicas e/ou sociais diferenciadas que merecem uma maior reflexão por parte do governo brasileiro, a partir de um estudo mais aprofundado de algumas estratégias diferenciadas de inserção no mercado global adotadas por alguns países, como a China, o Chile e a Rússia.  Cabe enfatizar aqui, no entanto, que, apesar dos exemplos bem sucedidos – como a China e o Chile – ou não – como a Rússia – apresentados aqui, não há um modelo ideal e acabado a ser aplicado no Brasil.  Estes são apenas, a nosso ver, exemplos de caminhos e alternativas possíveis, que devem ser estudados com maior atenção para, eventualmente, serem adaptados à realidade brasileira ou evitados, na busca de uma inserção mais efetiva e eficaz de nosso país neste processo de globalização.